segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Lembranças...


Eu quero viver minha vida!


Eu andava me segurando para não pensar no que passou e nas coisas que fiz da minha vida, também nas coisas que deixei de fazer e queria muito.
O fato de ficar em casa por muito tempo, é que você sempre acaba se esbarrando no passado, às vezes são pelas fotografias, por uma roupa que você não veste há um tempo, mas que foi quando você estava usando ela que aconteceu alguma coisa legal, engraçada ou até preocupando, é por um livro que você ganhou de uma pessoa que nem faz mais parte da sua vida ou uma musica que estava tocando no radio do tempo em que você fazia algo interessante.
Meu computador talvez tenha o maior registro do meu passado, pois como não sou apegada a coisas materiais, sempre que elas não me servem, eu descarto agora as virtuais estão sempre aqui, e não são centenas de fotos, são milhares, cada uma contando um pedaço dos meus 27 anos.
Hoje não resisti, revivi tudo o que eu fazia antes de não conseguir andar, de não estar com a pele toda estourada, de quando eu tinha saúde de verdade. Não liguei o botão da autopiedade, até por que, se tem um sentimento que me aborrece muito é a dó, isso pra mim serve só como nota musical.

Eu olho essas fotos acima e vejo tudo o que eu quero/gosto:
Sair por aí, sem ter pressa, eu adoro São Paulo, adoro camelar pelas ruas dessa cidade louca. Ser voluntária, e no meio de uma brincadeira, conseguir dar uma orientação para essas crianças que às vezes ficam tão perdidas por aí, sem ninguém para dar um carinho, uma atenção. Sair com a família para almoçar fora,  estudar, trabalhar, e trabalhar em equipe principalmente. Dar presentes, participar de campanhas filantrópicas, sair com os amigos, sentar embaixo de uma arvore e acompanhar o por do sol...
Eu fazia tudo isso, não sei dizer se valorizava tanto essas coisas, como hoje valorizo, mas eu fazia, eu gostava de tudo isso, gostava de produzir, gostava de interagir (ao meu modo, pois nunca fui extrovertida o suficiente pra sair falando com qualquer pessoa que parasse em minha frente).
Não estou triste, só estou com saudades, e acho que essa saudade bateu agora, pois eu estou vendo tanta gente com a saúde perfeita e não aproveita essa benção, não valoriza essas pequenas coisas, e ainda conseguem ficar triste com tão pouco, sabe, desperdiçar o tempo com uma tristeza fútil, sendo que tem toda uma vida pela frente. Eu também tenho toda uma vida pela frente, eu não vou desistir dela, e nem de me sentir melhor, só incomoda não conseguir hoje fazer coisas simples como essas que citei, mas eu vou conseguir, e em breve eu faço outro quadro de imagens com realizações que hoje estão bem distantes da minha realidade.

Isso foi apenas um desabafo, como já disse, nem sempre o bom humor impera, mas não é o fim do mundo, afinal desanimo pega todo mundo, não só quem tem IRC.

Quod non destruit me fortificat

Um comentário:

Hak disse...

Achou a calça da pipoca? rs (interna)
Mas é isso ae... muitas coisas só damos valor quando perdemos, abençoado é quem dá valor à todas as coisas enquanto elas estão por perto ao nosso alcance.
Vc é forte, tem fé, tem vontade de viver, vai sair vitorioza disso tudo e tenho certeza que vai ajudar muita gente.
Fica com Deus