sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Explicação dos exames...

Vou deixar abaixo uma pequena explicação dos principais exames de sangue que um Renal Crônico faz, pois outro dia na clinica vi pacientes que já fazem há anos hemodiálise, e não sabiam o que era o TGP, e também, por que eu aprendi uma boa hoje, rs.

Uréia: A dosagem da uréia no sangue é utilizada para avaliar a função renal, ou para confirmar e/ou avaliar a evolução de uma patologia que afete a função dos rins.

Creatinina:
Serve para avaliar a função renal, particularmente a forma de excreção de creatinina pelos rins e, por conseguinte, os produtos do metabolismo das proteínas. É também utilizado para controlar a evolução e o tratamento das patologias renais.

Hematócrito:
Expressa a concentração de glóbulos vermelhos no sangue. Valores baixos podem indicar a presença de anemia; perda sanguínea; hemólise; leucemia; hipertiroidismo; cirrose; hiperhidratação.

Hemoglobina:
A hemoglobina é o pigmento que dá a cor aos glóbulos vermelhos (eritrócitos) e tem a função vital de transportar o oxigênio dos pulmões aos tecidos. Esse exame serve para identificar uma anemia.

Fósforo:
Esse exame é realizado para avaliar o nível sangüíneo de fósforo, particularmente na presença de distúrbios que provocam níveis anormais de fósforo. Níveis acima do normal podem indicar metástase óssea, hipocalcemia, hipoparatireoidismo, aumento da ingestão ou da infusão IV de PO4, doença hepática, insuficiência renal e sarcoidose

Potássio: 
Esse exame é realizado para avaliar o nível sangüíneo de potássio. Os níveis elevados de potássio no organismo são identificados como hipercalemia. Para se chegar a essa condição existem, em geral, outras causas, como função renal (dos rins) reduzida, degradação de proteínas ou infecção grave. Se não há uma causa subjacente para esse aumento nos níveis de potássio, os rins têm a capacidade de lidar com essa grande quantidade de mineral, impedindo o aumento nos níveis do sangue.

Cálcio Iônico:
O cálcio sérico é normalmente medido para monitorar ou fazer uma triagem das doenças dos ossos ou dos distúrbios na regulação do cálcio (ou seja, doenças da glândula paratireóide ou dos rins). O cálcio ionizado é medido quando outros fatores complicam a interpretação do exame normal de cálcio sérico (por exemplo, a presença de quantidades anormais de albuminas ou imunoglobulinas). A medição do nível de cálcio sérico é útil para determinar a causa dos problemas renais ou da tireóide e também para verificar se há a quantidade de vitamina D necessária no organismo da pessoa. Todas as células requerem cálcio para várias funções. O cálcio é especialmente importante na estrutura dos ossos e na atividade neuromuscular.

TGP:
Auxilia no diagnóstico de doenças hepáticas, sendo mais sensível que a TGO. Os níveis de TGP se encontram elevados no alcoolismo, hepatites virais, hepatites não-alcoólicas, cirrose, colestase, hemocromatose. Além das condições hepáticas, os níveis plasmáticos de TGP podem estar elevados em condições como anemias hemolíticas, hipotireoidismo, doença celíaca uso de drogas hepatotóxicas. A injeção intramuscular de medicamentos ou o exercício físico extenuante podem também elevar os valores de TGP.

Fosfatasse Alcalina:
Este exame ajuda a determinar a localização de danos ou de tecidos doentes no corpo. Níveis altos podem indicar anemia, hiperparatireoidismo, fratura em recuperação, hepatite, doença óssea, leucemia, obstrução biliar, cânceres ósseos, doença de paget e raquitismo.

Ferro:
Esse exame é realizado quando há suspeita de deficiência de ferro. Valores acima do normal podem indicar: hemocromatose, hemólise, anemias hemolíticas, hemossiderose, necrose (morte do tecido) hepática (do fígado), hepatite, eritropoiese, ineficiente (como na deficiência de vitamina B12 e deficiência de vitamina B6), intoxicação por ferro, intoxicação por chumbo (envenenamento por chumbo). Valores abaixo do normal podem indicar: perda crônica de sangue gastrintestinal, sangramento menstrual abundante crônico, absorção inadequada de ferro, ingestão inadequada de ferro, anemia por deficiência de ferro,  má-absorção (absorção inadequada de nutrientes no trato intestinal), nefrose, gestação (tardia). Outras situações em que o exame pode ser realizado: anemia provocada por doença crônica e síndrome de Goodpasture.

PTH:
Este exame pode ser realizado quando se suspeitar que uma anormalidade no PTH seja a causa dos níveis anormais de cálcio e fósforo. Os valores maiores que o normal pode estar associado a: insuficiência renal crônica, hiperparatireoidismo, câncer pulmonar, síndrome da má absorção (absorção inadequada de nutrientes no trato intestinal), osteomalacia (adultos), raquitismo (crianças) e deficiência de vitamina D.

HBsAG:
Detecta antígenos de superfície do vírus da hepatite B. Se positivo/reagente, indica que que o paciente esta infectado com o vírus da Hepatite B.

Anti-HBs: Detecta anticorpo contra o antígeno de superfície do vírus da hepatite B. Se positivo/reagente, indica que que o paciente esta imune ao vírus da Hepatite B.

Anti HCV: Detecta anticorpo contra o vírus da hepatite C. Se positivo/reagente, indica contato anterior com o vírus HCV.

HIV:
Identifica os portadores de HIV, tanto sintomático quanto assintomáticos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Muito interessante seu blog, alem de ser lindo, é muito explicativo. Minha mãe vai começar essa semana a fazer hemodialise e consegui tirar muitas duvidas lendo o que você escreveu. Parabens e boa sorte com seu tratamento.