quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Aos familiares/amigos...

A Laura entrou em contato comigo, perguntando o que ela poderia fazer para ajudar o pai dela a aceitar o tratamento. Bom, só posso ajudar com minha experiência e com as que ouvi e presenciei, o correto é pedir orientação psicológica na própria clinica onde o paciente dialisa.

Aceitar o tratamento nos primeiros dias é muito difícil. Acredito ser mais difícil ainda para quem é pego de surpresa, onde é internado e descobre que vai ter que fazer hemodiálise sendo que nem desconfiava que tinha algum problema nos rins.

Imagina você de um dia pro outro descobrir que 3x por semana você vai precisar ser ligado em uma maquina para continuar vivendo, que existe 2 órgãos dentro de você que não funcionam e que isso não tem cura, pois mesmo transplantando você ainda vai ser dependente de remédios cujo efeitos colaterais as vezes são até piores que a própria hemodiálise, e ainda sim, um dia você voltara para hemodiálise. Não é fácil absorver isso de uma forma racional em pouco tempo. Todo o processo de aceitar a doença, aceitar o tratamento, aceitar sua nova condição de vida não acontece de um dia pro outro.

Algumas pessoas conseguem lidar melhor com o diagnostico, outras nem tanto, mas sempre leva um tempo, nada é imediato. Nessa hora os familiares precisam de paciência redobrada, pois todo tipo de reação negativa pode acontecer por parte do paciente. 

Eu por exemplo, nos primeiros dias tive muitas crises de pânico, alucinações, confusão mental e tristeza. No meu caso eu achava ruim, principalmente por não ter informação nenhuma, os profissionais que me atendiam, estavam preocupados com o físico, pois a urgência era normalizar meus exames, então as orientações que recebiam eram confusas e incompletas, mas por que eu queria praticamente receber uma bíblia sobre a doença, rs, e não funciona assim. Na internação, minha PA era sempre 12x8, mas quando o médico entrava no quarto, minha PA chegava até 15x9, pois eu sentia medo, e esse medo era por pura falta de informação, se não fosse meu namorado e meu irmão/cunhada que se informavam por fora e me explicavam depois, eu com certeza teria surtado, graças a paciência deles eu aos poucos fui entendendo melhor o que estava acontecendo e me adptando ao tratamento.
Aceitar que você tem uma doença dessa gravidade sem ter sintomas é complicado, imagina, você dorme bem, se alimenta bem, sua pressão é normal, você não tem febre, e de repente, aparece o medico e te avisa: "seus rins pararam de funcionar". Como assim? ,
A insuficiência renal crônica é uma doença silenciosa, e infelizmente, muitas pessoas morrem com falência renal sem ao menos ter desconfiado de que seus rins pararam.
Enfim, querer que um renal crônico aceite suas condições de cara, é pedir muito, sim, por mais otimista, por mais consciente que a pessoa seja, ela não vai aceitar na boa, ela pode mascarar para não preocupar as pessoas que gosta, mas com certeza o inicio é horrível para todos, e exigir que a pessoa entenda e aceite sem problemas, em minha opinião é até cruel.

Os conselhos que eu posso dar:
- Tenha paciência.
- Dê muita atenção ao renal crônico.
- Procure conhecer a doença, pesquise bastante, e em lugares confiáveis (na parte de link tem sites onde as informações passadas são de confiança).
- Converse com pacientes que estão na mesma situação e faça com que o doente participe da conversa.
- Confie na equipe medica que irá cuidar dele.
- Procure orientação psicológica.
- Dê tempo ao tempo, aos poucos a pessoa vai assimilando o tratamento e começa a reagir melhor a tudo isso.

É importante saber também, que cada pessoa é diferente da outra, então não pegue de exemplo tudo o que você ver ou ouvir, o que funciona para uma pessoa pode não funcionar para outra.

Se alguém sentir a necessidade de conversar, basta escrever, a minha maior intenção aqui é ajudar.

Nenhum comentário: