quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Vou contar uma historia...

A historia de uma menina, que há mais de dois anos, caiu da escada de sua casa, bateu as costas na quina do degrau, e apesar da dor, levantou e sem querer ir ao medico, foi para seu quarto, deitou para dormir, achando que no dia seguinte a dor iria embora.
Os dias foram passando, e a dor, ao invés de diminuir, aumentava. O que era uma dor aguda na região lombar foi descendo para as pernas.
O medo de agulha foi impedindo que a menina fosse procurar o médico, pois ela tinha certeza que receberia uma injeção para dor, e ficaria por isso mesmo. Então seguia otimista, ainda acreditando que a dor um dia passaria.
Depois de mais ou menos seis meses, como a dor não a abandonava, ela resolveu procurar um medico, e o que ela havia previsto aconteceu, foi atendida com frieza e descaso, levou uma injeção, e foi dispensada para casa, sem ter feito qualquer exame.
Passou mais algumas semanas, e a dor persistia, tentou novamente outro medico, com o mesmo atendimento artificial, a mesma ladainha e a mesma medicação. De duas consultas, pulou para mais de 10, sem nenhum diagnostico, apenas voltava para casa com uma receita de um antiinflamatório diferente, no qual, nenhum eliminava a dor.
Os seis meses viraram dois anos, a contagem de consultas mal sucedidas havia até se perdido, pois foram muitas, até que um dia, um médico no olhometro identificou uma anemia severa, pediu um exame de sangue simples e BUM, quando a menina percebeu, estava dentro de um carro, com sua mãe ao lado, indo para um hospital.
Os rins da menina já estavam atrofiados, foi para a hemodiálise, mas as dores ainda persistiam e com o passar dos meses, os movimentos dela começaram a se limitar, andar mais de 10 minutos viraria um martírio, dormir mais de 5 horas também.
Depois de nove meses fazendo hemodiálise, os médicos chegaram à conclusão, de que o problema dessa menina era o alto nível de PTH, o que eles não entendiam, era o PTH estar com mais de 1300 e o nível de cálcio estar sempre dentro do normal.
A menina que provavelmente perdeu seus rins ao menos dois anos atrás, conseguia sobreviver com a Uréia e Creatinina alta, e se não fosse o PTH talvez nem desconfiasse de que os rins haviam parado.
Seus exames como potássio e fósforo sempre foram normais, excluindo o fósforo que após a hemodiálise foi alterado devido ao Calcitriol, mas que já esta normal novamente.
Hoje a menina esta assim, andando muito pouco, dormindo muito pouco, produzindo muito pouco.
Uma menina que hoje tem 27 anos, que poderia estar trabalhando, ajudando a família, continuando seu trabalho como voluntária como fazia antes de se sentir mal, enfim, conquistando suas coisas, agora esta limitada, fazendo sempre pouco e dependendo de favores. Aguardando por um medico que se interesse pelo seu caso e investigue afinal o que aconteceu e como resolver.

Essa menina sou eu. Essa historia, é a minha.

Linha do tempo:
- Há uns 5/6 anos, fui diagnosticada com rosácea na pele, fiquei tão louca para melhorar, que tentei vários tratamentos (todos indicados por dermatologistas e nenhum ao mesmo tempo), primeiramente tentei loções no rosto o que nada adiantou, depois fiz um tratamento de oito meses com Roacutan, o que ajudou, mas não muito, nessa época, fazia exame de sangue mensal, e a única coisa que aparecia um pouco (bem pouco) alterada era o colesterol. Depois desse tratamento, fiquei mais uns sete meses tomando Minociclina, até que ajudou um pouco, mas a melhora estagnou e eu parei de tomar.
- Alguns meses depois, extrai os dentes do siso (foram os quatro, dois em cada vez em um intervado de 15 dias), pois sentia uma dor horrível nos dentes do fundo, mas depois de um tempo a dor continuou.
- Cai da escada, e foi quando as dores lombares apareceram.
- Meu pai, na mesma época que cai da escada, operou o coração, quando vi  ele saindo da sala de cirurgia, entrei em choque emocional, a partir daí as dores lombares aumentaram.
- A solução para dor de dente foi o tratamento de canal, no qual o dentista resolveu fazer, mesmo sem ter identificado o problema no dente, já que o mesmo parecia saudável. A dor era tão forte no dente, que eu batia a cabeça na parede, pois enlouquecia. Ao tomar a anestesia, eu sentia certa fraqueza no corpo, mas que passava rápido, não achei nada muito grave, então não comentei com o dentista. Pensava que a fraqueza na verdade era o medo de agulha que desde pequena tinha.
- Meses após o tratamento de canal, meus movimentos começaram a ficar limitados, andava pouco, pois sentia dores nos calcanhares.
- Me entupi de antiinflamatório, dado pelos médicos em cada consulta que passava. 
- Na ressonância magnética que fiz da coluna lombar, acusou apenas protusões.

Agora deixo algumas perguntas:
Perdi meus rins pelos remédios para rosácea?
Perdi meus rins pela anestesia que levei do dentista?
Perdi meus rins por ter caído da escada?
Perdi meus rins pelo choque emocional, ao ver meu pai entubado?
Perdi meus rins devido aos antiinflamatórios?
Aos meus 15 anos, fui diagnosticada com hipotireoidismo, e até 2006 (quando fiz o ultimo exame que lembro) os resultados estavam acusando o hipotireoidismo, esse ano, já fiz 4 vezes e acusou normal, o que isso significa?
Por que o PTH esta tão elevada e o cálcio normal? Eu sentiria esse tipo de dor, somente pelo PTH alterado?
Alguma coisa muita errada aconteceu, pois não existe nenhum histórico de falência renal na minha família, nem da parte do meu pai, nem da parte da minha mãe.

Bom se alguém se interessar por essa historia, e quiser discutir, estou a disposição, seja medico, seja alguém que esta com os mesmos indícios ou qualquer pessoa.

Nenhum comentário: