sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Adeus 2010...

Essa semana eu fiz um balanço mental sobre o ano de 2010, e apesar das dificuldades que surgiram, eu considero o ano de 2010 um dos mais felizes da minha vida. Eu aprendi muito sobre muita coisa, e principalmente sobre eu mesma, conheci uma Ana Paula que não sabia que existia. Adquiri valores que antigamente não me importava e hoje luto mais pelos meus direitos e pelos direitos dos outros, apesar de ainda ficar sem graça de passar na frente das pessoas em filas, em consultas médicas, rsrs...

Eu recebi muito apoio, muito carinho de todo meu time, dos meus amigos e da equipe médica, busquei me informar sobre minha situação, me sinto instruída suficiente para ficar tranquila, aprendi a controlar meus medos, e a realmente me preocupar só quando necessário que sofrer por antecedência não compensa.

Dos meus objetivos pro ano, eu cumpri uns 80%, o que é uma boa porcentagem. Dei passos importantes tanto no campo emocional quanto no profissional. Recebi muito NÃO, mas o SIM apareceu muito mais.
Passei por problemas, como qualquer pessoa, doente ou não passa, e ainda sim tenho mais motivos para sorrir que para chorar.

Final de ano sempre foi um momento triste pra mim, talvez por isso eu tenha ficado um pouco mal humorada e desanimada, como podem perceber nos últimos posts que escrevi aqui, mas é tudo emocional, nada que uma injeção de animo não resolva. Eu espero que 2011 seja melhor que 2010, que a medicina continue avançando, pois eu e milhões de pessoas dependemos disso para ter esperança de um futuro, espero que a Dilma exerça um bom mandato (apesar de honestamente não acreditar muito nisso) e que apóie programas no incentivo de doação de órgão.

Na clinica, o saldo do Box esta 1x1, Dona I. transplantou, mas infelizmente perdemos o Sr. O., tive umas três infiltrações na fistula, mas nada que me impedisse de dialisar ou que fosse necessário eu colocar um novo cateter. O frio na barriga pelas agulhadas não existe mais, apesar de tacar Emla (pomada anestésica) sempre que vai mudar de técnico, pois eu fico com receio da punção. Criei uma parceria incrível com o Dr. L., que pra mim é muito mais que um médico, ele é um amigo e um professor, sempre a disposição de tirar minhas duvidas, de me animar, incentivar, enfim, é meu porto seguro dentro da clinica, um profissional que admiro e sou imensamente grata por toda dedicação no meu caso.

Minha família esta cada vez mais consciente a respeito da minha doença e com isso, eu consigo dividir um pouco das minhas dificuldades, eles são meu porto seguro fora da clinica, sem eles eu estaria perdida e arrasada. Em primeiro lugar meus pais, que apesar da angustia, conseguiram ser fortes e estão todo tempo se preocupando e zelando pela minha saúde, meu irmão que se desdobra pra me ajudar e me da sempre conselhos, meu namorado que desde o primeiro dia se colocou 101% a disposição e em nenhum momento fez diferente, minha cunhada que sempre que preciso me ajuda e é uma baita amiga, meu padrinho Tio Toninho e minha madrinha Tia Lourdes que estão sempre preocupados e disponíveis para o que der e vier, meu Vô Pedro que liga sempre para saber como eu estou, o pessoal de Guarulhos, Tio Dinha, Tia Eliana, Luciane, Marcio, Roberto, Gislene e as pequenas Giovanna, Giulia e Catherine, que me dão tanta força, que quiseram conhecer mais sobre o que eu estou passando, e estão buscando ajuda, alem da força que eles sempre me mandam através das orações deles, o pessoal de Pedreira, minha Tia Roseli, que é uma segunda mãe, que se pudesse estar comigo todo dia eu sei que ela estaria, meus primos Danilo e sua esposa Sol, Chico e sua esposa Fernanda, Felipe e sua esposa Silvana, que sempre aparecem aqui são amigos que eu ganhei, pois antigamente não tínhamos muito contato. As pequenas, Karina, Rafaela e Anna Lydia que fazem minha alegria e matam um pouco a saudade que eu tenho de conviver com crianças.

Meus amigos André, Roseli, Renata, Erika, Daniela, Washington, Fábia e Norminha que assim que souberam que eu estava doente apareceram aqui ou ligaram preocupados. Além das pessoas que não são tão presentes na minha vida, mas que sempre que vejo falam que estão rezando para eu melhorar, ou se oferecem para ajudar de alguma forma.

O Sr. Nelson que toda terça e quinta acorda as 5:00 para me levar na clinica, e tem a maior paciência do mundo quando eu fico nervosa com alguma coisa ou atraso para ir embora. Os colegas e chefes do trabalho do meu irmão, por sempre compreender quando ele teve que se ausentar para me ajudar.

Eu só tenho a agradecer a todas essas pessoas, pois ninguém é feliz sozinha, e eu tenho muita sorte de estar rodeada de pessoas boas, esse ano serviu para eu valorizar cada um de vocês, e eu não quero deixar a oportunidade passar e ficar sem dizer o quanto eu amo vocês e o quanto eu agradeço a Deus por ter cada um de vocês na minha vida.

Bom, para quem lê aqui, desejo o melhor de tudo para 2011, e que contem comigo para o que precisar também. 

Ultimos exames...

Fiz uma bateria de exames de sangue, para saber se as dores que sinto sao de origem reumatologicas, mas tudo indica que nao.

Hemoglobina: 11,9
Hematocrito: 35,4

Proteína C Reativa: 3,0
Complemento CH50: 94
Ureia: 90,26
Creatinina: 7,61
Hemossedimentação, Velocidade: 23
Fator Antinúcleo: Não reagente
Anticorpos Anti-DNA: Negativo
Anticorpos Anti-SM: Não reagente
Antiestreptolisina O: 187
Fator Reumatóide, Latex: 6,0
Ácido Urico: 5,6
PTH: 735,4
Fosfatase Alcalina: 499,2
Calcio: 9,3
Calcio Ionizado: 1,23
Fosforo: 4,2

Anticorpos Anti-HIV: Não reagente
Hepatite B - HBsAG: Não reagente
Hepatite C - Anti-HCV: Não reagente
VDRL: Não reagente

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

1 ano e 1 mês...

Dezembro não é meu mês favorito, eu preferia até pular ele, sempre foi assim, antes mesmo da doença, e acho que por se invocar tanto com esse mês, que as coisas costumam dar tão errado, por esse motivo eu evitei e evito escrever aqui, pois não quero passar coisas negativas para quem lê aqui, pelo contrario, quero transmitir força e esperança.

Esse mês resolvi dar a louca e ir a tudo que é especialista e fazer um check-up total do meu corpo, estou atolada de exames para fazer, e cada dia aparece mais um, rs, esta sendo cansativo andar tanto, mas os remédio que eu estou tomando esta ajudando um pouco a dor, então dá para andar mais do que eu andava.

O Natal passou, o meu foi muito legal apesar de eu não gostar de Natal também, rsrs, mas foi legal ver as crianças encantadas com o Papai Noel (que no caso era meu pai fantasiado), e ver meu pai também todo bobo por que estava sendo o centro das atenções, hahahaha, ele adora isso, rsrs.

O Dr. O. resolveu que eu vou tomar 4 ampolas de calcigex para tentar abaixar meu PTH, vamos ver se isso vai ajudar, eu só sei que devido a essa quantidade gigantesca meu fósforo vai lá parar no espaço. Uma coisa que eu nunca vou entender é por que quando eu digo que meu PTH esta em 2800 os técnicos da clinica arregalam os olhos, ai quando completo que são 4 ampolas de calcigex por diálise é outra arregalada de olhos, nessa hora eu me sinto uma condenada a morte, parece até que meu caso é único, que nunca viram tratamento ou um PTH assim, eu nem continuo a conversa com esses “arregaladores de olhos”, pois a ultima vez que tentei ouvi tanta coisa ruim, mas tanta coisa ruim, que voltei pra casa chorando e fiquei 3 dias com dor de cabeça, então deixa quieto.

Bom, depois de 1 ano e 1 mês eu ainda continuo vivendo só para doença, fazer o que?

Minha mente atualmente esta normal.
Meu físico atualmente esta ruim (minhas dores estão piorando e se espalhando pelo corpo).

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Montanha Russa...

 
Estou dentro de uma montanha russa emocional, não consigo controlar o nervoso quando ele aparece.
Eu não estou nervosa por causa do tratamento, as sessões de hemodiálise estão pesadas mais pelo fato emocional, na verdade acho que cansei da rotina dessa vida, e o que me deixa nervosa é a falta de perspectiva que essa doença me trouxe. Será que vou parar de andar? Será que vão descobrir o que acontece comigo? Será que a coisa vai evoluir rápido e eu vou morrer sem ter feito nada da vida?
Ver as pessoas da minha idade estudando, trabalhando, conquistando suas coisas e ver eu estacionada na vida me deixa desesperada, eu poderia passar por cirurgias complicadas todos os meses, desde que, eu conseguisse viver a vida nos "intervalos", mas do jeito que esta, eu vou ficar vegetando e dependendo das pessoas.
Como disse, não ligo pra hemodiálise, eu não passo mal, saio um pouco cansada e só, eu não estou desesperada para transplantar, pois pra mim o transplante é outra forma de ter restrições, ambos tratamentos que tenho como opção tem boas vantagens e GRANDES desvantagem, e eu não tenho como correr, ou fico com um tratamento, ou com outro, e como time que esta ganhando não mexe, eu fico com a hemodiálise por enquanto.
Quero ser positiva e eu preciso ser positiva, mas esta difícil parece tudo estar errado.
Minhas dores estão evoluindo muito rápido, em 2 anos, uma simples dor nas costas agora esta me enlouquecendo, eu durmo pouco pois as costas doem se eu fico muito tempo deitada, parece que piso em brasa pois meus pés ardem a cada passo que dou, meus joelhos doem tanto que chego a gritar de dor, e fico frustrada por não saber nem o que é que esta causando isso, e sem o motivo como vou tratar?
Não vou desistir jamais, eu luto até o ultimo segundo, mas que hoje eu sou uma pessoa frustrada, eu sou.
Então, quem lê isso e esta bem de saúde, tem meios de estudar, de trabalhar, de fazer algo de bom na vida, APROVEITE, não desperdice energia com coisas fúteis, faça da sua vida algo produtivo, não prejudique a saúde com vícios e nem reclame por pouca coisa.
E pelo amor de Deus, cuidem da saúde, pratiquem exercícios físicos, façam os exames que precisam e são recomendados para idade.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

O que não me mata...

...ME CANSA!

Esse não é um post usual. Eu geralmente não gosto de contar o lado ruim das coisas, pois não quero me apegar a ele e nem transmitir desanimo/desespero para as pessoas que procuram se informar sobre a vida de um paciente renal, mas quem disse que o lado ruim não existe? Alias tudo tem dois lados, a vida de um renal não seria diferente. Espero que esse seja o primeiro e ultimo post nesse tom.

Consultas:
Essas ultimas semanas estou sobrecarregada, a culpa foi minha mesmo, que decidi fazer um check-up e passar em vários especialistas, o resultado? Mais de 10 exames complexos! Coloquei na minha cabeça que todo ano quero fazer uma geral da minha saúde e ver como meu corpo esta reagindo ao tratamento. Pra quê isso? Eu acho que é uma pesquisa interna e pessoal, quero ter tudo registrado. Enfim, devido a correria das consultas e pelo final de ano (que nunca foi minha época favorita, muito pelo contrário), eu me encontro extremamente estressada, tendo que apelar até para remédios para controlar o nervoso e a ansiedade. Já passei pelo Gastro (vou ter que fazer uma endoscopia), já passei pelo Otorrino (vou ter que fazer uma audiometria), Já passei no Cardio (vou ter que fazer um eletro, um holter e um mapa), Já passei no Gineco (vou ter que fazer todos os exames preventivos), além do Ultrasom e da Cintilografia das paratireóides que vou ter que repetir e diversos exames de sangue, e ainda falta passar com o Endócrino e com o Dermatologista. Estou querendo também em repetir o ultrasom dos rins, pois já faz 1 ano que fiz o ultimo.

Diagnostico:
A busca para saber o que realmente esta acontecendo comigo também esta me frustrando, os remédios que eu tomo me abrem o apetite e detonam minha pele, o que agrava muito o tratamento, porque eu fico com a auto-estima no chão, sem vontade de fazer nada, sem querer interagir com as pessoas por vergonha. A hemodiálise em si não é tão ruim (mas também não é uma maravilha), o psicológico e as expectativas do 'amanhã' que me atrapalham. Eu estou fazendo o contrario que minha cabeça pede, estou procurando sair mais, ler, trabalhar, interagir, sorrir, dizer sim, mas a vontade mesmo é ficar quieta, não fazer nada, ficar sozinha, simplesmente desistir. Acho que dessa montanha russa emocional, estou fazendo a curva para despencar do ponto mais alto dela. Eu tento ser forte, alias eu arranco forças da onde ela nem existe, pois não quero decepcionar as pessoas que me apóiam tanto, mas minha vontade esses dias é de jogar a toalha.

Transplante:
Estou pensando seriamente em trocar a equipe de transplante, pois esse negocio de não fazer nenhum exame antes de ser chamada para o transplante me deixa insegura, vou procurar uma equipe que peça exames, que faça consulta, pois a atual nem consultar me consultou, simplesmente colheu meu sangue e nada mais. Se bem que não tenho pressa para o transplante, eu não sinto que tenho condições para isso ainda, mas coloquei na mão de Deus, a hora que tiver de ser, as 'condições' que se danem.

Clinica:
Quando as coisas começam a dar errado, elas surgem em carreira, e lá na clinica também não esta fácil. As maquinas estão quebrando muito, e hoje minha fistula infiltrou novamente, meu braço da fistula esta preto (parece ate cascão), pois mal termina de desaparecer um hematoma, aparece outro, ta ficando feio, pois se eu coloco um vestido, parece que um braço ta sujo e o outro não. Seu também estou pegando muito peso, pois estou comendo mais que a boca e também o calor ajuda muito a reter liquido, pois sinto muita sede, ai acabo tirando muito na hemodiálise e fico completamente incapacitada o resto do dia, sem conseguir mover uma colher do lugar. Todas essas situações me deixam nervosa e se eu fico estressada, eu fico intolerante com as coisas e pessoas, e depois de um ano de hemodiálise, você já possui certa malicia no tratamento, então consegue identificar com mais facilidade quando as pessoas querem te enrolar, quando estão fazendo seu trabalho (ou não) e quando algo grave acontece. Geralmente eu tento dar um "toque" quando percebo que alguém fez algo que julgo errado, mas infelizmente estou vendo tantas irregularidades, que se eu for dar "toque" em todo mundo, vou ter que fazer 4 horas de sessão de hemodiálise e mais 4 horas de sermão.

Eu gosto muito da clinica onde eu dialiso, gosto mesmo, já estou adaptada ao ritmo deles, mas percebo que de um tempo pra cá a desorganização esta começando a ficar grande e por 80% dos pacientes  serem idosos, a maioria não liga, não questiona e até mesmo nem faz idéia do certo e errado, mas eu como estou sempre interessada em aprender fico de olho em tudo, quero todo dia sair com alguma informação nova, e vocês podem não acreditar, mas mesmo depois de um ano, ainda consigo sair da sessão sabendo algo que não sabia antes, e por ficar sempre atenta, eu também percebo mancadinhas e MANCADONAS. É complicado falar de um lugar no qual sou grata, pois se não existisse, eu não existiria também, e também é complicado avaliar profissionais, ainda mais eu não tendo o conhecimento técnico das coisas, mas querendo ou não, eu avalio como paciente que sou, e busco um bom atendimento, uma boa estrutura para ficar bem e também ajudar os outros. O que quero dizer, é que sem uma boa estrutura, sem uma organização, sem regras estabelecidas e seguidas à risca, nada funciona direito, então é criada uma boa de neve, um probleminha que, gera um problema que, gera um problemão.

Como paciente me sinto obrigada a dar sugestões o TEMPO TODO, seja para técnico, seja para médico, seja para outro paciente, se eu tenho uma informação útil, eu gosto de passar adiante, para não só eu, como para que todos possam aproveitar. Meu único receio é parecer chata, folgada, encrenqueira ou que a intenção é prejudicar algum profissional ou a clinica em si. Mas que vantagem eu teria em prejudicar alguém ou algo no qual eu dependo? Seria muita idiotice da minha parte.

Estou ficando insatisfeita pois eu acabo comprando o problema de outros pacientes, vejo que os familiares deles não ligam (ou nem fazem idéia que precisam se informar mais sobre o estado do doente), então eu sinto obrigação a lutar por eles também, já que até para pacientes que estão a bem mais tempo que eu na hemodiálise, eu acabo ensinando o que sei. Acho que a falta do interesse dos pacientes/familiares gera a falta de interesse dos profissionais tambem, não estou generalizando e nem penalizando, mas acho que é automático mesmo, quando você vê que o 'cliente' não liga, você faz o que acha que tem que fazer e beleza, não chega no 'cliente' e pergunta "ta bom pra você?" ou "o que você acha disso?", só que eu não sou uma paciente omissa, eu gosto de saber tudo o que acontece e o porque, e quando eu vejo o famoso "arroz-feijão" pro meu lado, eu fico muito chateada.

Um exemplo que acontece com uma paciente lá da clinica, é que ela esta há mais de 5 anos na clinica (muito mais) e a fistula dela esta gigante e ela se queixa de dores no braço da fistula, e eu já vi não uma, nem duas, mas inúmeras vezes o pessoal prometendo encaminhar ela para avaliação com o vascular e até agora ninguém encaminhou, e isso já tem mais de 4 meses que acontece, eu só estou vendo a hora que vai dar algum problema sério por isso, outra com essa mesma paciente, ela não sabe o numero do RGCT  dela (numero de cadastro na fila do transplante) e eu sempre falo para ela cobrar isso na clinica, mas ela não faz, só que como já aconteceu comigo, o cadastro pode ficar inativo, e não por culpa do pessoal da clinica, mas por outros problemas, e se ela não acompanhar pessoalmente o andamento, ela vai continuar esperando pro um transplante, que pode ser que não venha por ela estar inativa.

Eu tenho muitas sugestões, MUITAS mesmo, algumas são simples, que se adotadas poderiam trazer mais conforto para os pacientes, outras precisariam de uma estrutura melhor (investimento por parte dos donos) e outras simplesmente de boa vontade de cada profissional. Precisava conversar sério com o pessoal da assistência social e/ou psicologia, mas acredito que esse ano eu não consiga nada, apenas mais estresse.

Casos Renais
Eu estou deixando um pouco de lado aqui, pois não quero perder o foco, mas ano que vem pretendo escrever com mais freqüência. É só passar essa fase nebulosa que tudo volta ao normal, eu preciso contar as coisas boas que também aconteceram, é que meu humor não esta permitindo descrever corretamente as coisas positivas.

É isso aí, mais um dia...

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Resultado dos Exames...

Hemoglobina: 10,4
Hematocrito: 31,7


Ureia: 211,8
Creatinina: 11,7




Calcio Ionico: 1,31
Fosforo: 2,1
Potassio: 6,4
TGP: 36
Fosfatase Alcalina: 406
Ferro: 128
Sat. de Transferrina: 63


Proteina Total: 6,0
Albumina: 3,6
Globulina: 2,4


PÓS HEMODIALISE:

Ureia: 52,8

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Hospital do Transplante (Brigadeiro)

O Dr. O. me encaminhou para o Hospital do Transplante de São Paulo (antigo Hospital Brigadeiro), para uma consulta com uma Nefrologista que é especialista em tratar pacientes renais com o PTH alto. Logo que saí da hemodiálise na quinta passada (2/12) eu fui para o hospital, cheguei era 10h30min aproximadamente, mas como a Dra. só chegava depois das 13:00, eu fiquei vagando pela Paulista com minha mãe até chegar a hora da consulta.
Quando chegou o horário, fui encaminhada para o primeiro andar, para esperar pela Dra. mas por ficar andando pela Paulista, estava com tanta dor nos joelhos que deixei minha mãe encarregada de ir atrás da medica, rsrs, não demorou muito, a medica chegou e eu fui a primeira a ser atendida.
Gostei do atendimento do Hospital, da Dra., dos funcionários em si, o hospital é organizado e não é tumultuado. Saí do consultório com varias guias para exames e com algumas boletas (pedidos de consultas). Praticamente tudo que tiver que fazer, vai ser feito no próprio hospital, menos a cintilografia das paratireóides, que vou ter que fazer em outro lugar, mas o ultrasom, exame de sangue, consulta com a equipe de cardiologia, com o anestesista, é feito no próprio hospital. A Dra. solicitou uma bateria de exames,para ver se vai ser mesmo necessário fazer a operação das paratireóides.
Minhas consultas e exames ficaram para fevereiro, praticamente o mês todo vou bater cartão no Hospital do Transplante, rsrs, mas não reclamo, o que importa é melhorar.
Eu fiquei sabendo de um novo medicamento que esta para ser aprovado aqui no Brasil, onde vai fazer com que a operação das paratireóides não seja mais necessária, mas a questão é quando vão liberar esse remédio? Alguns pacientes até já estão importando ele só para não ter que passar pela cirurgia, eu ainda não me informei direito, mas vou comentar com meus médicos a respeito, pois sou muito mais tomar remédio do que ir para faca, mas quem vai definir isso são meus médicos não sou eu.

Vivendo...

Faz tempo que não escrevia aqui e não foi por falta de novidade, pelo contrario, é que final de ano sempre tem correria e agora com o tratamento, eu estou enlouquecendo de tanta coisa que tenho/quero fazer e não consigo tempo e às vezes pique para concluir.

Entrei em uma maratona de consultas, quero ter um balanço de ano em ano de como meu corpo esta reagindo a tudo isso. No momento já passei no oftalmo, ortopedista, neuro e reumato (que ainda retorno para consulta) e ainda tenho consulta com o gastro, com o cardio, com o gineco, com o otorrino, com o dermato... ufa, acho que é "só" isso, rsrsrs...

Desde que comecei a fazer hemodiálise, minha miopia aumentou 1,00, pois antes eu tinha 0,75, agora estou com 1,75, também estou notando que minha audição esta um pouco diferente, por isso estou querendo passar no otorrino. O restante dos especialistas é apenas para fazer uma manutenção mesmo.

Ultimamente meu humor esta muito instável, vou do feliz ao furiosa em questão de segundos e o contrario também acontece. Eu estava lutando para não tomar remédio para controlar a ansiedade, mas já deu, eu acabei cometendo uma rebeldia comigo mesmo, então pedi socorro pro Dr. L, que me receitou um remédio para ajudar com toda essa instabilidade.

Vou escrever separado sobre algumas coisas que aconteceram esses dias.

domingo, 28 de novembro de 2010

1 ANO!!!

Completo hoje 1 ano de tratamento para Insuficiência Renal Crônica, e como todo mês, resolvi fazer um balanço, mas dessa vez, um balanço anual.

Depois de um ano de tratamento:

Saldo Positivo:
- É raro sair passando mal das seções de hemodiálise;
- Já estou tão acostumada em ir para clinica, que acordo sem necessidade de despertador;
- A fistula apesar das duas punções serem bem próximas, funciona bem e eu dialiso bem com elas assim;
- Já estou adaptada ao tratamento, e sei como resolver qualquer intercorrencia, desde uma queda de pressão, como uma azia repentina, etc...
- Apesar das fortes dores nas pernas e costas, eu estou procurando sair mais, só que dentro do meu limite;
- Fiz minha primeira viagem desde que comecei o tratamento, e não passei mal;
- Estou indo em diversas consultas, e pegando diversas dicas para viver melhor;
- Aos poucos estou retomando minha independência;
- A reaproximação da família, que ajudou (e ajuda) bastante para desviar um pouco a vida dessa doença;
- Minha relação com as pessoas do Box, técnicos, médicos é praticamente de uma grande família;
- Entendo MUITO sobre todas as medicações necessárias, tanto que acabo explicando para pacientes que fazem hemodiálise há mais tempo que eu.

 
Saldo Negativo:
- Estou tendo recaídas de humor;
- Minha miopia esta aumentando;
- Estou começando a sofrer com a retenção liquida, mas acredito ser culpa do calor;
- Minhas dores nas costas aumentaram muito e eu só consigo dormir 4 horas por dia;
- Às vezes fico com a auto-estima abalada;


Planos para o próximo ano:
- Resolver a questão do PTH.
- Resolver as dores nas pernas e costas (ao menos amenizar a dor);
- Conseguir ir e voltar da Hemodiálise sozinha;
- Voltar a estudar;
- Tirar a habilitação (perder meu medo de direção);
- Me dedicar mais ao meu lado profissional;


Ainda esta incompleta essa lista, conforme for lembrando vou colocando aqui.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Feliz Aniversário...

  
Hoje é aniversário do meu irmão, eu estou viva graças a ele, que correu atrás para eu receber um diagnostico, se eu demorasse muito para saber que era renal cronica, provavelmente não estaria aqui agora.


AMO VOCÊ! OBRIGADA POR TUDO!

O tempo não para...

...conhecendo o Rio de Piracicaba

Faz alguns dias que não escrevo aqui, engraçado que até senti falta.
Eu precisava mesmo dar um tempinho para refletir, final de ano nunca foi minha época favorita, e parece que tudo que não aconteceu durante todo o ano acumula e acontece no final, rsrs.
Neste ultimo feriado (dia 15) eu viajei pela primeira vez depois que descobri que era renal. Foi uma viagem curta para a adorável cidade de Piracicaba, deu para recarregar as energias e voltar mais serena para a vida da capital. Foi bom ir para um lugar onde as pessoas nem fazem idéia de que você é renal, e você não precisa ficar explicando como é a hemodiálise, ou a cada dez frases uma ser relacionada a transplante.

Por eu ser o primeiro (e espero que único) caso renal crônico na família, fui colocada em uma redoma, fiquei super protegida e isso é cansativo, eu que sempre me virei sozinha, comecei a depender muito das pessoas, comprei e compraram uma imagem de que eu era praticamente de porcelana, mas o renal crônico não é nada disso.

Ultimamente eu tenho pensado muito na minha independência, quero parar de precisar dos outros ou ao menos não precisar tanto das pessoas. Meu time sempre me apóia, nunca vi descaso da parte deles, mas eu acho que a fase de adaptação acabou e então esta na hora de tocar a vida, com o diferencial de reservar doze horas por semana para um tratamento, e quer saber? Eu já fiz cursos que duraram mais tempo que isso e hoje não aproveito nada, pelo menos essas horas dedicadas são para ficar bem e principalmente para viver o resto das horas que tenho depois.
Finalmente eu estou redescobrindo a vida após o diagnostico, rsrsrs...

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Resultado dos Exames...

Hemoglobina: 10,1
Hematocrito: 30,8


Ureia: 169,2
Creatinina: 8,8


Calcio Ionico: 1,24
Fosforo: 3,1
Potassio: 5,2
TGP: 16

Colesterol Total: 166
HDL Colesterol: 31,6
Colesterol LDL: 103,8
Triglicérides: 153




PÓS HEMODIALISE:

Ureia: 59,6

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Diagrama...

Ao contrario do que a física explica, ser negativo atrai coisas negativas.

Ironia...

A vida me apronta várias, mas essa foi uma das mais interessantes...

Esse mês completo um ano de IRC e exatamente dois anos antes de saber que precisaria de um órgão, eu fiz minha carterinha de doadora de órgãos, sem nem imaginar que eu que iria precisar de uma doação.




Interessante ainda, é que algumas semanas antes de ser internada, eu fui comprar um presente para o chá de bebê da A. L. e no caminho comentei com minha mãe que gostaria muito que doassem meus órgãos se eu viesse a falecer, inclusive mostrei esse cartão para ela, que acabou pedindo que eu fizesse um pra ela também, e até hoje eu não fiz, rsrs.
Apenas lembrando que esse cartão é simbólico, o que vale mesmo é a aprovação da família, por esse motivo é importante avisar aos familiares do desejo de doar. Uma coisa simples que pode ser feito em vida, é a doação de sangue, é um procedimento facil que pode ajudar muitas pessoas.

Eu fiz esse cartão no site: http://www.bos.org.br/ na época não sabia nem o meu tipo sanguíneo, rsrs

Até a próxima :)

Interrompemos a transmissão...

...para divulgar uma coisa importante.


Hoje indo para a clinica de hemodiálise, vi em uma avenida de bairro nobre, um cachorrinho todo encolhidinho na calçada. A vontade que tive, foi de parar, pegar o cachorrinho e levar comigo. Infelizmente minha casa só tem espaço para Laika (minha cadela ciumenta, rsrsrs), e com muita dor no coração, tive que deixar o cachorrinho à mercê da própria sorte.
Fiquei pensando comigo, como as pessoas tem coragem de abandonar um cachorrinho? Se não tem condições de criar, então para que pegar?
Existem três coisas nessa vida que eu ODEIO e sou capaz de partir para agressão se eu ver: Pessoas maltratando crianças, pessoas maltratando idosos e pessoas maltratando animais. E eu tenho um ódio maior ainda por quem maltrata animais, pois desse grupo que citei, eles são os mais indefesos, por não tem como se comunicarem. Alguns são tão inocentes, que mesmo a pessoa maltratando, eles não saem de perto.
Animais não são objetos, que quando são filhotinhos fazem graça, as pessoas acham bonitinho e é tudo uma maravilha, mas quando ficam velhinhos, começam a apresentar probleminha de saúde, devem ser descartados como uma bolsa velha. NÃO! Não é assim que deve ser tratado um animal.
Você nunca vai encontrar fidelidade, amor, companhia melhor e mais sincera que de um animal, é um amor incondicional mesmo, e não vai importar a idade dele, dos primeiros contatos até os seus últimos dias, ele vai amá-lo e respeita-lo como nenhum ser humano fez. Um cachorro nunca vai virar as costas para você, o da foto acima, esta de costas para quem maltrata os animais, mas com certeza ele esta ali, esperando seu dono chegar, e não importa se o dono vai chegar em cinco minutos ou em três dias, ele vai ficar esperando, para recebe-lo com muita alegria e amor.

Pois bem, eu gostaria de usar esse espaço para divulgar locais onde as pessoas podem adotar cachorrinhos que geralmente são abandonados, maltratados e indefesos. Então, antes de pensar em gastar dinheiro comprando cachorros com pedigree, por que não adotar um amiguinho? Vou deixar uma lista de sites, onde é possível fazer a adoção, também tem sites para adotar outros animais além de cachorros.

SOS Gatinhos (só gatos)


Goiás

Adote um Gatinho (só gatos)
Campo de Santana (só gatos)
Gatos de Niterói (só gatos)
  
Adote Gatos (só gatos)
Adote um Gatinho (só gatos)
SOS Animais de Rua (só gatos)
Toca dos Gatinhos (só gatos)

Para quem tem duvida se quer ter um animal ou não, eu digo por experiência própria. Quando a Laika chegou aqui em casa, isso há 12 anos atrás, minha família era completamente distante, cada pessoa ficava em um cômodo, não existia muita união, mas quando ela chegou, uma mudança enorme aconteceu, nós sempre nos reunimos na sala para brincar com ela, e isso foi aproximando mais a família, e até hoje, ela é um dos principais motivos das nossas "reuniões" casuais aqui em casa, rsrsrs, pois sempre que ela começa fazer alguma gracinha, um chama o outro para ver, e quando percebemos a família toda esta reunida, conversando e se curtindo. Para quem tem crianças é excelente, pois já comprovaram que animais ajudam no desenvolvimento e diminuem os níveis de estresse.

"A compaixão pelos animais está intimamente ligada à bondade de caráter, e pode ser seguramente afirmado que quem é cruel com os animais não pode ser um bom homem." (Arthur Schopenhauer)
É isso aí pessoal, antes mesmo de pensarem em fazer o bem após a morte (doando os órgãos), por que não fazer o bem em vida? ADOTE!

Um grande abraço ;)

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Cintilografia e Ultra-sonografia das Paratireóides...

Como o PTH esta algo, para começar a investigar o que esta acontecendo eu tive que ir fazer uma ultra-sonografia e uma cintilografia das paratireóides.

Ultra-Sonografia
O ultrasom foi tranqüilo, para quem nunca fez e quer saber como é, simplesmente você entra em uma sala com pouca iluminação, o médico coloca sobre o local que irá examinar uma espécie de gel, e com um aparelho parecido com um leitor de códigos de barras de supermercado, ele espalha esse gel e vai fazendo as imagens necessárias para o laudo. É indolor e é um exame muito rápido. É praticamente uma massagem, hahahaha...

No caso o meu ultrasom não acusou nada.


Conclusão do Ultrasom:
Não foi encontrado pelo presente estudo qualquer alteração parenquimatosa evidente nas glândulas.

Cintilografia:
Esse exame também foi fácil, apesar de ser mais demorado, pois são feitas imagens em vários horários. No meu caso levei três horas. Na cintilografia das paratireóides você toma uma injeção na veia com sestamibi Tc99m e aguarda 20 minutos. Após esses 20 minutos você é encaminhado para uma sala, onde existe uma maquina grandinha, parecida com as de ressonância magnética, só que aberta. Então você deita no leito da maquina. Da primeira vez me amarraram para eu não me movimentar, então a maquina é ligada e uma espécie de "tampa" repousa sobre seu rosto/pescoço/peito, você fica uns 5 minutos sem se movimentar, então essa "tampa" recua e você pode se levantar. Então você espera por uma hora, para ser chamada para a segunda imagem. Na segunda imagem, não me amarram, eu fiquei novamente uns 5 minutos e novamente tive que esperar por mais uma hora para a terceira e ultima imagem. Na terceira o mesmo processo acontece, e no final você espera uns minutinhos e então é liberada. Acredito que essa espera no final é para o médico avaliar se tem alguma urgência.

Minha cintilografia também não acusou nada.


Conclusão da Cintilografia:
Estudo dentro do Normal.

Agora falta eu refazer um exame de sangue, e ir ao especialista para entender o motivo do meu PTH estar tão alto. O ultimo exame da clinica acusou PTH de 2849,2.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Casos Renais...

Quando surgiu a idéia de escrever sobre o meu tratamento, a principio foi pensando apenas em utilizar esse espaço como válvula de escape e também uma forma de guardar informações que seriam úteis para eu mesma.
Os meses se passaram e a idéia de auto ajuda foi ampliada e se transformou em uma ferramenta no qual eu uso para alertar sobre os problemas renais (principalmente a IRC) e ao mesmo tempo dar uma força para quem esta embarcando nesta jornada. Na verdade, hoje a intenção de ajudar esta alem da intenção de me ajudar. Não que eu esteja me colocando para escanteio, mas o prazer que tenho ao me sentir útil, em fazer a diferença para alguém em qualquer detalhe que seja, já é a minha ajuda, pois anula um pouco as minhas preocupações.
Eu estou aprendendo muito com meu tratamento. Procuro despejar aqui o maximo de informação que vou adquirindo, contudo, procuro pensar muito antes de colocar qualquer palavra, principalmente quando contem informações técnicas, pois sei que muitas pessoas se baseiam em tudo o que lê, o que pode ser perigoso as vezes.
A primeira, e provavelmente única recomendação que tive dos médicos quando tive alta hospitalar foi: "Não acesse internet buscando informações, não entre no orkut, não procure no google, etc...", e nos primeiros dias eu segui a risca a recomendação, tinha muito medo, meu medo era tanto que eu que desde meus 16 anos não sabia o que era um dia sem computador, passei além do período de internação, mais uma semana sem encostar no PC, com medo de ligar e aparecer na tela "você tem x dias de vida", hahaha, agora eu acho graça, mas na época foi bastante angustiante.
Voltando o assunto, eu não pesquisei nada na internet por recomendação médica, pois segundo eles, só existe informação errada na rede. Eu concordo e discordo, acho que o segredo é saber procurar, e eu com mais de 10 anos "plugada" não era tão ingênua assim para acreditar em tudo o que pudesse ler, mas mesmo assim minha insegurança me prendeu, então tentei esperar aprender com a experiência e com o auxilio dos profissionais de saúde, contudo, eu ansiosa ao extremo, não tive paciência de esperar, e como já relatei aqui antes, eu queria aprender tudo em um dia, se existisse Fuvest sobre IRC, eu queria fazer e tirar nota máxima, rsrsrs...
Comecei a pesquisar, entrei em sites com uma excelente estrutura informativa, sites médicos, sites hospitalares, mas sentia muito a falta de ver a visão do paciente, afinal, queria saber minha própria visão futuramente. Infelizmente não achei muita coisa, mas o pouco que achei percebi que cada pessoa tem sua historia, sua maneira de enfrentar as coisas, tem seu histórico, então a visão que eu queria adiantar caiu por terra, eu realmente teria que ter paciência e enfrentar tudo do meu jeito, seja lá como fosse.
Foi nesta necessidade em encontrar a visão do paciente, que fez com que eu mudasse um pouco o padrão desse diário, incluindo dicas e informações extremamente detalhadas de todos os processos que eu vou passando, para um dia quem sabe, os médicos até indiquem esse site para pessoas que ainda não estão bem informadas e que assim como eu, queiram saber um pouco como o paciente se sente em cada um desses processos.

Felizmente estou recebendo apóio de muitas pessoas, conhecidas e desconhecidas, que estão lendo aqui e me passando sugestões e até tirando duvidas.

Agradeço a todo mundo que me escreveu, comentou ou conversou sobre esse site comigo.
 
Pessoal, eu sempre falo, mas vale deixar sempre avisado. 
Para quem é renal crônico, não fique baseando o caso/vida de outros pacientes renais com o seu, pois cada caso é único, alguns elementos vão coincidir, mas não acontece tudo igual com todo mundo, utilizem esse site como ferramenta de informação, nunca como ferramenta de tratamento, quem vai tratar é o medico, eu apenas coloco dicas e explico alguns processos, por favor, tenham em mente que sua parte deve sempre ser feita: seguir as recomendações medica, tomando todos os medicamentos prescritos, seguir a dieta indicada pelo nutricionista, sempre ter pensamento positivo e ser grato pela oportunidade de ainda viver, de existir um tratamento que prolonga nossa vida, coisa que muitas doenças não possuem essa opção.

Um grande abraço e saúde para todos.

domingo, 31 de outubro de 2010

Salada de Macarrão (leve)


Eu gosto muito de cozinhar. Geralmente tudo que faço costuma ter uma boa aceitação da família, rs, mas fazia tempo que não preparava nada em casa. Ontem fui com meu irmão e minha mãe no supermercado e quando me deparei com os pimentões lembrei de quando eu fazia salada de macarrão e minha mãe se acabava, rsrs, então resolvi fazer. É um prato simples e muito rápido de fazer, só não sabia se a receita servia para pacientes renais, mas dei uma pesquisada e aparentemente não tem contra indicação, apenas moderação no consumo, então vou deixar a receita abaixo.


 RECEITA:

- 1 pacote de macarrão parafuso
- 1/2 Pimentão vermelho
- 1/2 Pimentão verde
- 1/2 Pimentão amarelo
- 1/2 cebola
- 1 tomate
- 1 xícara de chá de maionese
- 2 colheres de sopa de azeite
- Salsinha
- Cebolinha
- Sal


Modo de Preparo:
- Coloque o macarrão para cozinhar, enquanto isso, pique em cubos pequenos os pimentões, o tomate e a cebola. Pique também a salsinha sem os talos e a cebolinha.
- Após o macarrão cozinhar, escoa-o e deixe esfriar.
- Assim que o macarrão esfriar, coloque-o em um recipiente e jogue o azeite por cima do macarrão, misture como se estivesse temperando o macarrão.
Adicione aos poucos os pimentões, o tomate e a cebola e misture para que não fique só em um lugar. Quando terminar, coloque a salsinha e a cebolinha por cima e misture novamente, em seguida adicione a maionese e mais uma vez misture. No final, adicione o sal a gosto, tendo muito cuidado para não salgar. 
Leve a geladeira por pelo menos 30 minutos antes de servir.

Rendimento: 6 porções bem servidas.


Dicas:
1- Não misture todos os ingredientes de uma vez, pois pode ficar pimentão de um lado, cebola do outro, etc.
2- Você pode adicionar alguma proteína animal, como carne ou frango desfiado.
3- Essa salada tem diversas versões, você pode ainda adicionar milho e ervilha, apenas evite enlatados, procure comprar produtos naturais.
4- Eu gosto de fazer essa salada para servir no dia seguinte, assim o macarrão absorve todos os sabores.
5- Ao adicionar o sal, procure ir provando até chegar o ponto certo, lembrando que pacientes renais não podem consumir grande quantidade de sódio.
6- Existem maioneses à venda que possuem a taxa de sódio reduzida.


Propriedades nutricionais por porção:

Pimentão Verde:
Caloria: 4
Ferro: 0,1mg
Fósforo: 3mg
Potássio: 29mg
Cálcio: 2mg

Pimentão Vermelho:
Caloria: 4
Ferro: 0,3mg
Fósforo: 3mg
Potássio: 35mg
Cálcio: 1mg

Pimentão Amarelo:
Caloria: 5
Ferro: 0,4mg
Fósforo: 3mg
Potássio: 36mg
Cálcio: 1mg

Macarrão Parafuso:
Caloria: 230
Ferro: 1,6mg
Fósforo: 85mg
Potássio: 103mg
Cálcio: 11mg

Tomate:
Caloria: 3
Ferro: 0,08mg
Fósforo: 4mg
Potássio: 34mg
Cálcio: 2mg

Cebola:
Caloria: 5
Ferro: 0,3mg
Fósforo: 5mg
Potássio: 42mg
Cálcio: 10mg

Maionese:
Caloria: 70
Ferro: 0,1mg
Fósforo: 4mg
Potássio: 5mg
Cálcio: 3mg

Total aproximado:
Caloria: 421
Ferro: 2,88mg
Fósforo: 107mg
Potássio: 284mg
Cálcio: 30mg

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

11 meses...

Chegando à reta final para completar um ano.

Faz tempo que não tenho uma pressão 12x8, geralmente esta 9x5 o que me preocupa muito, pois eu estou me alimentando, estou tomando todas as medicações, e a pressão que costumava cair durante e após a hemodiálise, agora cai constantemente, eu já entro na clinica com pressão baixa. Já aumentaram meu peso seco umas 5 vezes desde que comecei a hemodiálise, mesmo assim só vejo minha pressão cada vez mais baixa, e por isso, esse mês não consegui fazer quase nada, estou perdendo momentos que não queria perder, minhas amigas de infância estão para casar e eu não consegui ir em nenhum chá-bar, tenho trabalho acumulado, é tanta pendência que não cumpro por causa da pressão. Estou começando a desconfiar da maquina de diálise, mas como não entendo nada disso, é mera desconfiança.
O meu braço infiltrou novamente e eu que fui culpada, pois o dobrei sem querer. Ele ainda esta enorme, mas não dói e o mais importante, a fistula funciona.
Teve também a preocupação com minha mãe, mas agora já estou mais tranquila.
Fiz a cintilografia das paratireóides, mas ainda não saiu o resultado.
Fiquei quase duas semanas gripada.
Esse mês a bruxa ta solta, rsrsrs, não é a toa que é halloween.

É isso aí... 
Por pior que pareça a situação, eu nunca vou dizer a Deus que tenho um grande problema, e sim ao problema, que eu tenho um grande Deus ;)

Minha mente atualmente esta normal.
Meu físico atualmente esta ruim (mais fácil dizer onde não sinto dor, rsrsrs).

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Sem deixar a peteca cair...

Ontem não consegui fazer hemodiálise, meu braço tem uma infiltração enorme (hematoma), esta praticamente o dobro do tamanho, então como não peguei muito peso (500g) deu para adiar por dois dias a sessão. O meu braço estava doendo muito, tiveram que puncionar para ao menos fazer a medicação, e como doeu muito, eu não aguentei e comecei a chorar, e ninguém imagina o quanto eu odeio chorar, principalmente na frente dos outros, nossa, e pior que não conseguia evitar, tentava respirar fundo para controlar, punha a mão na cara (o que fez eu me sentir uma besta, rsrsrs), enfim, fiquei mal, desconfortável, impaciente, e um monte de coisas ruins, deixei toda negatividade da situação me dominar.
Cheguei em casa parecendo que tinha tomado um sonífero, de tanto sono que sentia, mas não pegava no sono (devido a medicação), só consegui adormecer depois de ter visto o exame da minha mãe, que acusou litíase e microlitíases nos rins (basicamente pedra nos rins), senti um alivio enorme, e isso foi a marretada final, dormi e dormi muito, tanto que quebrei a promessa de ligar para o Dr. L. para saber se eu tinha que fazer hemodiálise urgente ou se conseguiria esperar até quinta feira, mas ele me ligou, rsrsrs, os exames estavam OK.

Hoje quando acordei, a dor no braço estava quase inexistente, então consegui retornar ao bom humor. Assim que acordei, lembrei de uma musica que tem uma das letras mais bonitas que conheço. Eu costumo recarregar minhas energias ouvindo musicas com letras otimistas, letras que incentivam a lutar, continuar, enfim, musicas que tocam fundo o coração e a alma. Vou deixar a letra aqui embaixo. Para quem quiser a tradução, clique aqui.


Keep On Singin' my Song
(Christina Aguilera)


Oohhh, Yeah, Oooh Huh
I woke up this morning with a smile on my face
And nobody's gonna bring me down today
Been feeling like nothing's been going my way lately
But I decided right here,right now,that my outlooks gonna change
That's why I'm gonna
Say goodbye to all the tears I've cried
Everytime somebody hurt my pride
Feelin' like they won't let me live life
And take the time to look at what is mine
I see every blessing so clearly
And I thank God for what I got from above
I believe they can take anything from me
But they can't succeed in taking my inner peace from me
They can say all they wanna say about me, But I'm
I'm gonna carry on (carry on)
I'mma keep on (keep on) singin' my song
I never wanna dwell on the pain again
There's no use in relivin' how I hurt back then
Rememberin' too well the hell I felt when I was runnin' out of faith
Every step I'm 'bout to take well it's towards a better day
Cause I'm about to
Say farewell to every single lie
And all the fears I've held too long inside
Everytime I felt I couldn't try
All the negativity and strife
Cause too long I've been strugglin', couldn't go on
But now I've found I'm feelin' strong and I'm moving on
I believe they can take anything from me
But they can't succeed in taking my inner peace from me
They can say all they wanna say about me, but I'm
I'm gonna carry on (carry on)
I'mma keep on (keep on) singin' my song
Everytime I tried to be what they wanted from me
It never came naturally, so I ended up in misery
Was unable to see all the good around me
Wasting so much energy on what they thought of me
Than simply just rememberin' to breathe, I've learned
I'm humanly unable to please everyone at the same time
So now I find my peace of mind living one day at a time
In the end I answer to one God
Comes down to one love
Till I get to heaven above
I have made the decision
Never to give in
Till the day I die no matter what
I'm gonna carry on, I'mma keep on singin' my song...
(They can't take anything from me)
I believe that they can do what they wanna.
Say what they wanna say
(They can say what they wanna)
But I'm gonna keep on
(Keep on )
I believe it
That they can take from me
But they can't take my inner peace
Oh, yeah, yeah, yeah, yeah, yeah, yeah,
Say what you wanan say, I am gonna sing my song
Oh, Oh, Oh, Oh, Yeah, Yeah, Yeah, Yeah

E chega de mal humor, afinal, começou a chegar boas noticias.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Correria...

Esses últimos dias estão agitados, são várias consultas, exames, compromissos, por esse motivo estou me dedicando pouco aqui.

Minha mãe descobriu esses dias que também esta com algum problema nos rins, mas se Deus quiser, são somente pedras nos rins, nada que chegue perto do meu caso. Mas como mãe é mãe, é impossível não ficar preocupada, então estou concentrada mais nela do que em mim, amanhã pegamos o resultado de um ultrasom que ela fez, espero ter noticias boas para relaxar, a ultima pessoa que quero ver com dor ou sofrendo é ela.

Hoje também fiz uma cintilografia e ultrasom da paratireóide, o ultrasom fiquei sabendo pelo próprio medico que executou o exame, que as paratireóides estão normais, o que me deixou encanada, vou esperar o resultado da cintilografia que saí somente dia 2/11/2010, até lá, fico com um ponto de interrogação na cabeça, em breve explico como é a cintilografia, mas adianto que é tranqüilo.

Desde terça passada, meu braço esta dolorido, pois na hemodiálise eu bobiei e a agulha varou a veia, na terça não tinha hematoma, mas depois da hemodiálise de quinta feira, meu braço ficou quase igual quando puncionaram a primeira vez, não sei nem se amanhã vou conseguir fazer hemodiálise, pois não consigo deixar o braço reto, rsrs, enfim, vou deixar os profissionais da clinica avaliarem se vale a pena ou não.

É isso, vou escrever pouco hoje, pois o braço dói até para digitar. Postei dois textos abaixo que achei aqui semana passada, que eu escrevi uns dias depois que tive alta da internação. É um texto fraquinho, mas descreve o que passei no começo.

Até a próxima :)